Deu ruim para os políticos que estão perdendo o mandato por fraude à cota de gênero nas eleições em todo o Brasil.

A defesa desses políticos queria responsabilizar apenas e tão somente os dirigentes de partidos, querendo que os políticos eleitos não fossem punidos com a perda dos respectivos mandatos.

No entanto, a maioria do Supremo Tribunal Federal (STF) não acatou a tese, pois entende que os partidos têm o dever de fomentar, integrar e desenvolver a participação feminina na política, mas caberia aos candidatos a obrigação de monitorar, controlar e fiscalizar os atos empreendidos pelos partidos que representam.

O Plenário do STF negou limitar a responsabilidade por fraude nas candidaturas femininas aos partidos e aos responsáveis pelo abuso de poder. A resposta foi dada a uma Ação Direta de Inconstitucionalidade do partido Solidariedade, que defendeu que os possíveis beneficiários de fraudes a esta regra não fossem punidos, pois concorreriam de boa-fé nas eleições.

Já votaram contra a tese, mantendo a punição também aos políticos eleitos e beneficiados com as eventuais fraudes à cota de gênero, os ministros Rosa Weber, Ricardo Lewandowski, André Mendonça, Cármen Lúcia, Edson Fachin, Dias Toffoli e Alexandre de Moraes.

Vale lembrar que a legislação eleitoral exige um mínimo de 30% de candidaturas femininas para cada legenda, mas alguns partidos têm burlado a norma, só que todos estão sendo severamente punidos.

No Maranhão, o Tribunal Superior Eleitoral, por essa prática, já cassou vereadores do PDT de Jatobá, do Republicanos de Tutóia. Já o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) também cassou vereadores do PP de Caxias e PL de Miranda do Norte.

O que a Justiça Eleitoral precisa é dar mais celeridade nesses julgamentos, afinal a perda do mandato tem até acontecido, mas com alguém que não deveria ter sido eleito ocupando mais metade de um mandato que não seria seu, passando a nítida impressão que o “crime compensa”.

O TRE-MA do Maranhão tem prometido julgar todos os supostos casos com maior celeridade e, conforme o Blog já destacou (reveja aqui), o processo 060280787.2022.6.10.0000, que tem como autores Inácio Melo (PSDB) e Édson Araújo (PSB), ambos candidatos a deputados estaduais em 2022, bem como o PSD, e que denunciam o União Brasil do Maranhão, já tem oitivas marcadas.

O TRE-MA determinou, através do desembargador José Gonçalo de Sousa Filho, que as oitivas sejam feitas no dia 19 de abril de 2023, às 14h.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here