Neste domingo (24), a Polícia Federal prendeu os supostos mandantes da morte da vereadora do Rio de Janeiro, Marielle Franco, que foi assassinada junto com o seu motorista, Anderson Gomes, em março de 2018.

A operação da PF, em conjunto com a Procuradoria Geral da República e Ministério Público do Rio de Janeiro, prendeu o conselheiro do Tribunal de Contas do Estado (TCE/RJ), Domingos Brazão, o deputado federal pelo Rio de Janeiro Chiquinho Brazão e do ex-chefe da Polícia Civil do Rio de Janeiro, Rivaldo Barbosa. Além das prisões foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão.

Segundo a PF, os irmão Brazão foram os mandantes, enquanto que o delgado Rivaldo Barbosa, que assumiu o comando da chefia da Polícia Civil dia antes da execução, garantiu aos irmãos a impunidade.

O ex-policial militar Ronnie Lessa, autor dos disparos que mataram Marielle Franco e Anderson Gomes, entregou os mandantes e as circunstâncias do atentado contra a vereadora em 2018. O ministro da Justiça, Ricardo Lewandowski, anunciou a homologação da delação no caso na semana passada.

Para a Polícia Federal, o motivo tem a ver com a expansão territorial da milícia no Rio de Janeiro, mas também existe suspeita de atuação da vereadora em disputa imobiliária em território valorizado no estado carioca.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here